Clínica de Saúde Oral de Loulé, Cirurgia Oral e Ortodoncia

 
 
 

Cirurgia Oral

 
 
É a área da Medicina Dentária que se dedica ao diagnóstico e tratamento cirúrgico de certas doenças/problemas da região oral e maxilo-facial.
Na área cirurgica, os actos mais frequentes são: extracção dentária, extracção de dente incluso (dente que não fez a sua erupção normal tendo ficado retido no osso maxilar), enucleação de quisto apical, apicectomia, exposição de coroa dentária para tracção ortodontica, desinserção e alongamento do freio labial ou lingual, biópsia incisional ou excisional de lesões dos tecidos duros ou moles da cavidade oral. Estes actos cirúrgicos são executados sob anestesia local, no entanto há situações mais complexas que necessitam a utilização anestesia geral em Bloco Operatório.

Dente do Siso
Os terceiros molares ou “dentes do siso”, em número de quatro, erupcionam normalmente depois dos 18 anos. Nalguns casos e por variadas razões (falta de espaço, má posição, alteração da morfologia do dente, etc) podem não erupcionar, ficando retidos total ou parcialmente no osso maxilar, provocando eventualmente alguns problemas: pericoronarite, cárie no dente adjacente, degeneração da membrana envolvente do dente e formação de quistos ou tumores odontogénicos. Cárie no dente adjacente ao siso, por retenção alimentar e difícil higienização. Dente do siso com degeneração da sua membrana envolvente, comprimindo o nervo. Está comprovado que focos de infecção na cavidade oral e em dentes do siso prejudicam o desempenho de atletas amadores e profissionais, bem como a saúde e qualidade de vida da população em geral.
Lembre-se: “A sua saúde geral depende de sua saúde oral”.
 
 
 
Cirurgia corretiva dos maxilares (Cirurgia Ortognática)
Trata-se de uma cirurgia maxilar maior que exige anestesia geral, no Bloco Operatório.
Uma face assimétrica com mau alinhamento dos maxilares (deformidade dentofacial) pode ocasionar transtornos de mastigação, da fala, dores faciais, dores na ATM e estalos articulares, comprometendo também a parte estética.
A cirurgia ortognática repondo cirurgicamente os maxilares, oferece benefícios estéticos e fisiológicos e promove a mastigação, respiração e fala normais, melhorando a auto-estima. A cirurgia ortognática é sempre planeada em conjunto com o Ortodontista, que fará o alinhamento dentário para que, durante a cirurgia de correção dos maxilares, os dentes se encaixem perfeitamente.
As deformidades dentofaciais mais frequentes são: prognatismo, micrognatismo, sorriso gengival (mostra muito a gengiva quando sorri), mordida aberta e assimetria facial.
> Prognatismo: caracteriza-se pela presença do queixo muito pronunciado e perfil facial côncavo.
> Micrognatismo: caracteriza-se por um queixo pequeno e perfil facial convexo.
> Mordida aberta: quando o paciente está de boca fechada, os dentes anteriores não estão em contato.
> Assimetria facial: existe um crescimento desigual da face desviando o queixo para um dos lados.
 
 
 
 
 
 

Ortodoncia

 
 
A Ortodoncia (ou Ortodontia) é a área da medicina dentária que detecta, previne e corrige as anomalias da posição dentária que impedem a correcta oclusão, alinhamento e estética dentária.

Tem por objetivo a correcção da função do Sistema Estomatognático e a recuperação da Estética dentária e facial. Pode ser aplicada em crianças, jovens, adultos e em pacientes de idade avançada.

Entre os muitos benefícios de um tratamento ortodôntico/ortopédico facial podemos esperar, além de uma oclusão funcional, uma melhoria da estética dentofacial e um aumento da auto-estima do paciente.

Na grande maioria dos casos, durante o tratamento, verificamos melhoria das queixas de cefaleias, dores musculares do pescoço ou ombros e torcicolos. Ao corrigirmos a posição dentária e óssea restabelecemos a função e equilibramos todo o Sistema Estomatognático. Em crianças de idade escolar, ao diagnosticarmos e corrigirmos anomalias da oclusão assistimos à melhoria das cefaleias.

O uso de aparelhos removíveis ou fixos, deve ser aconselhado somente pelo seu Médico Dentista/Estomatologista, variando a necessidade de caso para caso.
Os tratamentos dentários na área da ortodontia são cada vez mais populares entre os jovens, ao contrário do que acontecia no passado. Actualmente verifica-se um aumento da procura também por parte dos adultos, que cada vez mais se consciencializam das melhorias que a ortodontia atribui à qualidade de vida, quer pelos resultados estéticos, quer pelos resultados funcionais.

Há 2 tipos de aparatologia, a móvel (ou removível) e a fixa.

Aparelho móvel: confeccionado em resina acrílica e fio ortodôntico de aço. Em geral, o tempo de tratamento é de 12 meses, mas vai depender principalmente da colaboração do paciente (não perder, não partir e utilizá-lo como prescrito). Só devem ser retirados da boca para comer.

Aparelho Fixo: com bandas, brackets, arcos e ligaduras. É possível movimentar os dentes nas três dimensões do espaço e o paciente não retira o aparelho pelo que a eficácia é maior.
a) Metálico: com brackets (peças que são presas aos dentes) metálicos, é o aparelho mais utilizado.
b) Porcelana: os brackets em porcelana são mais discretos confundindo-se com os dentes. São habitualmente os escolhido pelos adultos.

À esquerda: aparelho cerâmico; à direita: aparelho metálico.

Em média o tempo de duração do tratamento é de dois anos. No entanto este tempo pode diminuir ou aumentar variando de acordo com o tipo de caso e a colaboração do paciente (boa higienização, assiduidade nas consultas, cuidado na mastigação para não descolar brackets).
Após a utilização do aparelho fixo é necessário usar contenção para assegurar a estabilização dos dentes na nova posição e assim não correr o risco de alteração no resultado atingido.

Algumas maloclusões que podem ser resolvidas com a Ortodoncia:
Apinhamento dentário (dentes que se encavalitam uns aos outros)
Dentes desalinhados
Diastemas (espaços entre os dentes)
Mordida aberta
Mordida profunda (sobremordida)
Mordida cruzada
 
 
 
O que causa a maloclusão?
A maloclusão pode ser causada por perda prematura ou tardia de dentes-de-leite, hipertrofia das amígdalas e/ou adenóides, respiração oral predominante, sucção prolongada no dedo ou chupeta, dentes muito grandes e ossos maxilares pequenos (levando a uma falta de espaço para acomodar os dentes), características faciais herdadas geneticamente (como mandíbula muito pequena ou queixo muito para a frente), deglutição atípica ou anomalias dentárias.

A perda prematura de dentes de leite pode provocar perda de espaço e inclinações dentárias.

Os aparelhos ortodônticos causam manchas nos dentes?
Não. O aparelho não mancha os dentes, pois as manchas no esmalte dos dentes podem originar-se durante a formação dos mesmos (antes da sua erupção por doença ou medicamento), por traumatismo, devido a descalcificação do esmalte por má higiene oral e/ou consumo exagerado de refrigerantes.

No tratamento ortodontico, quais os benefícios além da estética?
A função principal do tratamento ortodôntico é restabelecer a oclusão dentária (perfeito engrenamento dos dentes superiores e inferiores) que é fundamental para a correcta mastigação e, conseqüentemente, adequada nutrição e saúde oral. Com o restabelecimento da oclusão, previne-se e tratam-se problemas de respiração, deglutição, fala e da articulação temporomandibular (A.T.M.).

O paciente adulto poderá submeter-se ao tratamento?
Sim. Não existe idade máxima para a realização de tratamento ortodontico, embora no paciente adulto alguns cuidados especiais devam ser tomados, principalmente em relação aos tecidos de suporte dos dentes. O tratamento pode ser mais lento e limitado, devido a problemas periodontais, falta de dentes ou maior comprometimento destes devido a próteses ou restaurações extensas.

Se os pais possuem má posição dos dentes, o mesmo pode ocorrer com os filhos?
Sim. Apesar da genética ser um dos factores que influência o aparecimento de má oclusão nos filhos, outros factores podem levar a tratamento ortodôntico como: respiração oral, sucção prolongada no dedo ou chupeta, deglutição atípica, perda precoce ou tardia de dentes de leite e anomalias dentárias.

É necessário extrair dentes permanentes?
Habitualmente não. Em alguns casos, a extração de dentes permanentes é necessária, principalmente naqueles casos em que há falta de espaço para a acomodação de todos os dentes no arco. 0 resultado deve ser um perfil harmonioso, agradável, com lábios unidos sem esforço muscular e perfeita harmonia dentária. Quando bem indicadas, as extrações não trazem qualquer prejuízo ao paciente.

O aparelho causa cáries dentárias?
O uso de aparelho fixo exige cuidados especiais por parte do utilizador. Os brackets não causam cárie mas sim os resíduos alimentares retidos no aparelho e que não são removidos com uma boa higiene oral.
Uma boa escova dentária macia, fio dental, escovilhão, irrigador oral (hidrojet) e bochechos com solução oral contendo flúor devem ser rotina após cada refeição.